Muitos
animais tem o poder de curar pessoas, principalmente nos casos de depressão, ou
auxiliar no processo de cura, em casos de pacientes transplantados cardíacos,
com arritmia. Pacientes com síndromes ou doenças que afetam as funções
cerebrais, também são beneficiados com os animais co-terapeutas. No
Hospital Dante Pazzanese de cardiologia em São Paulo, uma amiga trabalhou
durante alguns anos com gatos, que ajudavam pacientes cardíacos, recém
transplantados ou portadores de arritmias, no ajuste do compasso cardíaco. Os
felinos são colocados sobre o tórax dos pacientes e o “ronronado” dos gatos,
faz com que o coração passe a bater no ritimo correto.
Desde
2009, o Hospital Albert Einstein  em São
Paulo permite a entrada de animais, desde que o médico autorize. O animal pode
ser um terapeuta, ou o próprio animal de estimação do paciente. Há relatos de
médicos do hospital que há tanto redução no tempo de internação, quanto redução
de medicamentos durante o tratamento de pacientes que recebem visitas de animais. A
equoterapia  é um excelente recurso, pois
permite que o paciente tenha a sensação de liberdade, sem restrições e está
disponível em várias cidades.Cães
e gatos são fundamentais para a manutenção da sanidade mental de vários idosos,
já  que estes se sentem úteis ao cuidar
do bichinho de estimação e estão sempre em atividade, conversando, dando
broncas, se divertindo com o parceiro de toda hora e que topa tudo.
Tenho
clientes, proprietários de cães e gatos que relatam que o comportamento do
filho melhorou muito depois de ser responsável por um animal; outros que
afirmam ter se curado da depressão com ajuda de um animal de estimação e muitos
que dizem que seus filhos hiperativos, encontraram a tranquilidade em um
aquário e atualmente possuem melhor qualidade de vida.
Em
2002, tive a oportunidade de utilizar animais de companhia para auxiliar no
tratamento de crianças com paralisia cerebral de vários graus, crianças com
síndrome do Xfrágil e outras patologias que afetam o sistema nervoso e podem
comprometer o desenvolvimento mental.
Foi
uma experiência incrível, é nítida e imediata a evolução dos pacientes ao
entrarem em contato com animais. Crianças que não se comunicavam, passaram a se
esforçar para se comunicar com os animais; crianças que não andavam e possuíam
condições motoras para caminhar e não faziam, passaram a dar os primeiros
passos para poder se aproximar de cães, ferrets, lagartos.
Neste
instituto eu trabalhava com animais exóticos, os resultados foram ótimos,
crianças felizes, interagindo, melhorando, evoluindo, porém, nem todo animal
pode ser terapeuta. Para ser terapeuta ou co-terapeuta, o animal precisa ser
dócil, sociável, obediente, muito brincalhão, paciente e saudável. Sendo
terapeuta ou de estimação, eles são fundamentais para saúde física e mental dos
seres humanos, pacientes em tratamento em um hospital ou simplesmente membros
de suas famílias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *