Jovem inglês dá um tapa na cara dos mercados globais ao abrir, em
site de crowdfunding, campanha para pagar coletivamente dívida grega


Fonte: Outraspalavras.net

Este texto
foi retirado da fonte acima citada, cabendo à ela os créditos pelo mesmo.



Em meio a pressões cada vez mais intensas dos credores contra a
Grécia, um jovem inglês que “trabalha numa loja de sapato”, Thom Feeney,
teve a sensibilidade que falta à maioria dos políticos da União
Europeia: enfrentar com solidariedade o problema que estrangula o país
há 6 anos. Na mesma linha do primeiro ministro Alexis Tsipras, de
combater austeridade com mais democracia, Feeney criou uma campanha de
financiamento colaborativo (crowdfunding) para arrecadar dinheiro e
pagar uma parcela da dívida.

Feeney fez o seguitne cálculo: se cada cidadão da União Europeia (503
milhões de pessoas) doar 3 euros, a Grécia terá um outro destino. A
parcela da dívida que deveria ser paga hoje (30 de junho) ao FMI é de
1,6 bilhões de euros (equivalente a 5,8 bilhões de reais). O governo
aguarda o resultado do referendo no próximo domingo (5 de julho) para
decidir se pagará ou não.

Em entrevista ao The Independent,
o jovem de 29 anos mostrou ter mais responsabilidade que os credores:
“Parece que os políticos, primeiros-ministros e chanceleres estão
esquecendo quem é realmente afetado por esta crise: o povo grego. Se os
governos não querem ajudar os gregos, talvez as pessoas que vivem na
Europa queiram”.

Os
prêmios oferecidos pela campanha são igualmente provocadores: vão de um
cartão postal do Alex (sic) Tsipras para quem doar 3 euros; uma garrafa
de Ouzo (aguardente grega) para quem doar 10 euros; azeite e queijo
feta para salada para 6 euros e uma garrafa de vinho grego para quem
doar 25 euros; até uma viagem à Grécia por dois dias para quem
contribuir com 5 mil euros. “Na verdade, todo mundo na União Europeia
poderia ajudar a levantar o dinheiro apenas tendo uma garrafa de azeite e
queijo feta na salada do almoço. Então, por que não fazer isso?
Escapamos dos políticos e dos credores europeus, ficamos com um saboroso
almoço e a Grécia obtém estabilidade”.

Com a colaboração de 16 mil pessoas nos dois primeiros dias, a
campanha já arrecadou 247 mil euros. O site, que opera o sistema de
crowdfunding Indiegogo,
encontra-se completamente congestionado, saindo frequentemente do ar.
“Estou confiante que o povo da Europa irá se engajar nessa campanha e em
breve estaremos levantando um copo de Ouzo numa grande festa!”, diz
Thom. Para acompanhar o financiamento siga a pagina da campanha no Facebook, ou twitter da plataforma, ou busque pela hastag ‪#‎crowdfundgreece‬.

Já o pai da nouvelle vague, Jean-Luc Godard, que em 2013 recusou
premiação em Cannes, em solidariedade ao povo grego, lembrou em entrevista ao The Guardian,
que toda a humanidade está em dívida com a Grécia. “Os gregos nos deram
a razão, devemos isso a eles. Aristóteles foi o primeiro a conceituar a
palavra ‘portanto’, e usamos essa palavra milhões de vezes para tomar
nossas principais decisões. É hora de começar a pagar por isso”. E
concluiu: “Angela Merkel diz: ‘Nós te emprestamos dinheiro, portanto
vocês terão de pagar’, mas ela é que deveria ser a primeira a pagar os
direitos autorais por isso”.

Talvez o Syriza abrace o financiamento colaborativo para viabilizar o
futuro do país. Talvez os credores e ministros europeus afrouxem as
cordas que o estrangulam. Talvez essa história seja mais complicada que
aprender grego. Mas é inegável que as atitudes introduzidas no jogo
reoxigenam a democracia em busca de outras soluções, diferentes daquela
que, está provado, só traz sofrimento: mais austeridade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *