Fonte: ANTP

Este texto
foi retirado da fonte acima citada, cabendo à ela os créditos pelo mesmo.
Se perguntássemos a um
pedestre-motorista se ele veria algum inconveniente em reduzir um pouco a
velocidade de seu carro em benefício de maior segurança viária, certamente
receberíamos uma resposta positiva. Mas se a mesma pergunta fosse feita a um motorista-pedestre,
ele pensaria primeiro em si para então responder com um sonoro “não”.
Pedestre-motorista, raridade hoje em dia, é aquele cidadão
que dirige automóvel, mas pensa como alguém que se locomove a pé. Já o motorista-pedestre
faz exatamente o contrário: apesar de ser pedestre em alguns instantes de sua
vida, seu raciocínio acompanha o ronco do motor de seu carro. Esta diversificação entre motoristas e
pedestres tem marcado fortemente as decisões de muitos gestores, assim como tem
colocado em lado opostos os que pensam na segurança daqueles que preferem
pensar somente em si.
Matéria do jornal Folha de SP desta
semana – ‘Motorista perderá mais 4 minutos pararodar marginal de ponta a ponta
-, apesar de correta, opta por escolher um título que dá prevalência ao tempo
em lugar da violência produzida pelos que dirigem em excesso de velocidade.
Título, no entanto, que agrada aos motoristas-pedestres, o que só
corrobora a tese de que os carrocêntricos são expressiva maioria. Senão numérica,
pois não o são, pelo menos opinativa, já que conformam a tribo dos que mais
fazem barulho contra toda e qualquer medida que altere seus inúmeros
privilégios. Por conta (e por medo) desta “opinião”, muitos gestores
passaram anos a fio pensando a cidade em favor do automóvel. Deu no que deu.
Para estes “opinativos”, 4
minutos valem mais que 73 mortos e 1.399 feridos, números de 2014 que
identificam as duas marginais paulistanas como as vias mais violentas da cidade
de São Paulo. Por mais que técnicos, estudiosos, testes e estudos comprovem que
um pequeno aumento na velocidade de uma via produz em contrapartida um aumento
significativo de acidentes, nada serve de argumento. Por mais que famílias
foram destruídas por causa de loucos ao volante, não importa. Para quem não
abre mão de correr na cidade com seu carro, qualquer redução será sempre vista
como um cerceamento à sua liberdade, e tudo, alegam, sempre feito em benefício
de uma “indústria de multas”. Os acidentes serão contabilizados como “danos
colaterais” inerentes ao progresso.
Talvez a manchete da Folha pudesse ser
repensada lançando mão de um antigo slogan de segurança rodoviária: “mais
vale perder 4 minutos na vida do que muitas vidas em troca de poucos
minutos”. 

   Sejaum leitor da Newsletter Mobilidade e Conjuntura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *