Zé Paulo – É possível verificar através da mídia um número maior de empresas que colaboram  com projetos de responsabilidade social. Qual a opinião de vocês sobre este movimento?
 
Dercy – Acho fantástico, esta é uma tendência que ganha força a cada dia , cada vez mais  empresas promovendo, participando e principalmente ajudando nos projetos sociais diversos
  
Alexandre – Esta havendo de certo modo uma conscientização das empresas, das sociedades e quem sai ganhando com isso são todas as partes envolvidas.

– 

Zé Paulo  – Vocês consideram relevante a divulgação das ações sociais desenvolvidas por estas empresas?  
  –
Dercy – Sim, muito relevante, quanto o maior numero de pessoas envolvidas melhor, as informações divulgadas sempre ajudam, não ficam só dentro das empresas, elas se propagam.
  –
Alexandre – Sem duvida, cada ação divulgada acaba servindo de exemplo, tanto para os colaboradores da empresa como para as demais empresas que acompanham.
 –
Zé Paulo – Falem um pouco sobre projeto social AMAMOS..
  – 
Dercy – Na verdade faço muito pouco la dentro, minha ajuda  maior é aqui fora, onde tento de todas as formas ajudar e angariar fundos, para  organizar campanhas tais como:  do agasalho, do leite, feijoada, bingo etc.
  –
Alexandre – José, cada vez que ajudo é como se fosse um momento único, porém já fui, mas ativo na Amamos trabalhei como voluntário onde dava aulas de reforço escolar para as crianças que necessitavam, era muito bacana, quem aprendia na verdade era os dois lados, eu aprendi muito com eles.Teve um tempo que eu controlava um caixinha ( Jun 2009 à Dez 2012 ) que era formado pela contribuição quinzenal no valor de R$ 10,00 de alguns colegas de trabalho, com essa caixinha compramos fraldas, leite, sucos, refrigerantes e salgados para os bingos,  compramos 2 ventiladores grandes, um painel de parede para 80 fotos, um aparelho de fax entre outras coisas, mas a maior aquisição na minha opinião foi a de um carro buffet em Out 2010 e que está funcionando muito bem até hoje. Antes  principalmente na época de inverno era bem delicado, as crianças que chegavam da escola por volta das 12:30hs a comida já não estava quente, esfriava muito rápido  e mesmo assim era servida.. Hoje vou pelo ao menos 2 vezes por mês lá, contribuo com todas campanhas, sempre vejo se eles precisam de alguma coisa, mas é muito, muito pouco a minha participação, sinto falta de poder ajudar mais.
  –
 
Zé Paulo – Qual a sensação pessoal ao contribuir com este projeto?
   
Dercy – Pra mim é fundamental, inclusive quando me aposentar irei dedicar mais, não tem  dinheiro que pague, não só trabalhar na Amamos mas trabalhos voluntários em geral como também a campanha de doação de sangue a cada 03 meses, aulas de inglês para pessoas de baixa renda,  acho que todas as pessoas conseguiriam ajudar pois sempre existe alguma coisa que podemos fazer, é só querer.
   –
Alexandre – José, quando você faz um bem, não importando a quem é muito gratificante, ainda mais quando é para uma criança inocente, que não pediu e não tem culpa de estar ali.
   –
Zé Paulo – E o poder público apoia a AMAMOS?
   –
Dercy – Muito triste ter que falar neste assunto, a ajuda vem, mas não como deveria, o valor por criança é irrisório, menos da metade do valor da ajuda a um presidiário, os prazos não são cumpridos, os atrasos são demasiados e constantes, praticamente não temos nenhuma isenção sobre o pagamento de impostos e taxas.
   
Alexandre – É muito difícil falarmos sobre poder publico, sabemos que hoje 11/07 não foi repassado os valores desde Fev’14, sabemos que tem diretores que fizeram empréstimos bancários ( pessoal ) para honrar a folha de pagamento deste mês. Sabemos também que tramita em Brasília, desde 2011, a tentativa da concessão da declaração de utilidade publica federal que é emitida pela CNAS ( Conselho Nacional de Assistência Social ), essa declaração é de extrema importância para a Amamos, pois com ela a entidade poderá a receber doações tanto de pessoa física como jurídica e quem doar terá o incentivo de abater no imposto de renda, imagine o quanto é importante para a esta entidade.
   –
Zé Paulo – E para os leitores (as) que desejam colaborar, como podem  ajudar a AMAMOS?
   –
Alexandre – José, será uma imensa satisfação, toda ajuda será bem vinda, ajuda financeira, ajuda com mantimentos , uma assessoria jurídica principalmente para que a Amamos possa adquirir o quanto antes a declaração de utilidade publica federal e principalmente ajuda fraternal, um abraço fraterno é muito importante tanto para as crianças como para as pessoas que cuidam diretamente delas. Quem quiser ajudar , por gentileza, entre em contato com a Eliane ou Izildinha pelos telefone : (011) 3601-3658 ou (011) 3601-1031

 

 Conheça a AMAMOS http://www.amamos.org.br/ 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *