Esta semana atendi
uma paciente com neoplasia mamária em estágio bastante avançado e em condições
desumanas, revoltante. A acompanhante relatou que a cadela de 11 anos apresenta
tumor nas mamas há mais de um ano e que nunca foi tratada.
Paciente não se
alimentava, não saía do mesmo lugar há dias. O proprietário estava decido pela
eutanásia, mais eu não. Pelo menos até realizar o exame físico e constatar que
o tumor já havia ulcerado e a miíase já estava “matando”a pobre cadela.
Quando apliquei o
analgésico, sua dor foi aliviada e imediatamente ela urinou durante alguns
minutos. A acompanhante estranhou e afirmou que há dias ela não urinava, então
informei que ela não urinava por sentir muita dor.
A acompanhante
chorou, os funcionários se emocionaram, mas não havia mais nada a ser feito se
não a eutanásia. Como médica me sinto incapaz por não poder fazer nada, como
ser humana, me sinto indignada por receber um animal nestas condições.
Para evitar que estas
situações ocorram e que tantas cadelas sofram assim como minha paciente sofreu
por mais de um ano é que escrevo este artigo agora.
O câncer de mama é
uma das principais causas de cirurgias e eutanásias em cadelas com mais de
cinco anos. Na maioria dos casos as fêmeas são inteiras, ou seja, não foram
castradas, ou foram castradas tardiamente.
Muitos autores
defendem e minha experiência de quase vinte anos comprova, que castrar fêmeas
antes do primeiro cio, previne o câncer de mama.
Oriento todos os proprietários
que castrem suas fêmeas logo após o encerramento do primeiro ciclo de vacinas,
pois quem não é criador não tem motivos para expor a fêmea aos riscos de uma
gestação.
Muitos proprietários
relutam em castrar, temendo os riscos da anestesia, mas insisto, os riscos são
muito menores em animais jovens e saudáveis. Animais idosos e ainda portadores
de câncer apresentam limitações e podem sofrer complicações durante e após a
cirurgia. Prevenir ainda é o melhor remédio.
Relatos de pacientes
humanos com tumor de mama, deixam claro que a dor se faz presente desde o
início da doença. Mesmo quando um tumor é bem pequeno como o da foto, o animal
já sofre com dores. A neoplasia mamária pode causar metástase pulmonar,
ocasionando insuficiência respiratória.
Quando não operado, o
tumor cresce e seu crescimento pode ser bem rápido, pode ulcerar facilitando o
acesso de miíase (bicheira) o que aumenta o sofrimento do animal e complica
ainda mais o quadro.
Cabe ao proprietário,
ser responsável e castrar seus animais ainda jovens. Para aqueles que não
optaram pela prevenção, obrigatoriamente, devem fazer inspeção das mamas e ao
perceber qualquer alteração, mesmo que seja um pequeno nódulo e que não esteja
exatamente na mama, um médico veterinário deve ser procurado.
A dor deve ser
tratada imediatamente, até que a cirurgia seja realizada e após o procedimento
cirúrgico também. Animais idosos não demonstram sentir dor, geralmente a dor é
negligenciada e o tratamento não é feito, com isso estas cadelas desenvolvem
doenças cardíacas e até renais.
Não é raro atender
cadelas em condições desumanas, com tumor já ulcerado com presença de miíase
que por vezes já invadiram a cavidade abdomninal, que há dias ou semanas não se
alimentam, não se movimentam e também não recebem cuidados mínimos de higiene.
Em muitos casos o mais digno a ser feito pelo animal é a eutanásia, para alívio
da dor e do sofrimento.
Jamais deve se
permitir que um tumor chegue a este estágio. A dor passa a ser um fator
limitante para a vida do paciente, às vezes mais até do que o próprio tumor,
mais do que o câncer.
Para que nossas
idosas tenham vida digna, devem receber cuidados adequados desde filhotes e o
principal, neste caso é a castração antes do primeiro cio. O uso de injeções
anti concepcionais devem ser evitadas pois seu uso indiscriminado pode causar
infecção uterina e neoplasia mamária.
Seja um proprietário
responsável, ofereça alimentos saudáveis, vacine e castre seus animais. Desta
forma garantirá uma velhice saudável e feliz.

 

One thought on “Câncer de Mama: Ocorrência comum entre cadelas idosas – Por Vilma Costa”

  1. Adotei uma cadelinha com cerca de 11 anos, com uma doença de pele malassezia e piodermite e vários nódulos nas mamas…..são móveis… o veterinário disse q pela idade não compensa operar, mas somente fornecer boa qualidade de vida… após muitas tentativas, achei um shampoo que fez os pelos começarem a nascer de novo e dou um complexo de omega 3 e 6 e biotina diariamente. Fiquei muito preocupada ao ler o artigo por conta da dor… o que eu poderia fazer para minimizá-la? Ela come bem, mas é bem inativa. Tb deve sentir dor de dente pois os poucos q restaram estão cheios de tártaro. Poderia me dar uma opinião? Obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *